RECALIBRAÇÃO: UM TEMPO DE BEM-ESTAR

Não estamos mais no período de “sala de espera”, querendo saber quando as coisas irão começar a mudar. Cada parte de nossa vida já está em fluxo, e sempre esteve. É errôneo pensar na vida humana como sendo estática – ela nunca foi. A vida muitas vezes parece mais estática, às vezes, quando existe a estabilidade social relativa e, sobretudo, a estabilidade nas ideias culturais e consciência de massa. No entanto, todos esses aspectos – estruturas e instituições sociais, normas culturais, padrões de pensamento – entraram em um período de profundas mudanças e recalibração. Nos últimos anos, muitas pessoas vem percebendo e sentindo esta reorganização (‘desmoronando – se reunindo’); ainda que em sua maior parte eles sejam observadores destas mudanças. Muitos de nós estávamos esperando os grandes ‘pontos críticos’ ou momentos explosivos acontecerem – e eles nunca chegaram. Isso ocorre porque a mudança que veremos se infiltrará em nossas vidas a fim de afetar transformação por dentro … e ao longo do tempo. Se tudo entrasse em colapso ao mesmo tempo, seria catastrófico para a vida humana neste planeta. Ao invés de explodir como uma bomba-relógio, nós esperamos reajustar os novos contextos neste planeta como um camaleão muda a cor da pele para se misturar em um novo ambiente. No entanto, tal recalibração precisa ser feita de forma consciente e em harmonia com a vida cotidiana. É por isso que o período da “sala de espera” é longo – é hora de trabalhar.

O período em que estamos vivendo agora também pode ser prejudicial em termos de saúde, uma vez que existem muitos elementos caóticos cercando a vida que está nos afetando. Essas ‘freqüências perturbadoras “são suscetíveis de causar mal-estar e doença em muitas pessoas no planeta neste período. Embora haja uma declaração geral para fazer, eu sinto que muitos de nós, aqui agora, terão experiências de pessoas ao nosso redor que acabarão doentes. Para alguns, essas doenças serão mais graves do que para outros. No entanto, a sensação é de que estamos sendo, agora, obrigados a nos desintoxicar e de nos realinhar com uma energia que está avançando e impulsionando a mudança sobre nós. Uma nova energia está chegando ao planeta está se movendo de forma diferente – é uma energia que se manifesta em diferentes gravitas. (pesos, gravidades)

A nova energia é mais fluida e adaptável; é mais leve e mais rápida. Como resultado temos que ser mais sensíveis, já que a energia está se movendo como uma teia de luz – ela se manifesta por meio de relacionamentos e redes e é mais sutil, mas distintamente ativa em nossas vidas diárias. É uma energia que precisa ser vivida e manipulada. Como tal, precisaremos recalibrar o nosso bem-estar físico e emocional para que possamos ressoar em harmonia com este fluido, interpenetrando a energia que está sempre subindo à superfície das coisas humanas e planetárias.

Será cada vez mais importante procurarmos os aspectos de nossa vida que promovam e nutram o nosso bem-estar. Nós vivemos em uma cultura que promove a doença e a mazela como um estado normal. Na verdade, as empresas e corporações constróem doenças em seus planos de negócios. A maioria das empresas calculam que seus funcionários terão x% de dias de baixa por ano, o que por sua vez afeta y% dos rendimentos de lucro. Portanto, esta diferença é frequentemente calculada nos planos de lucros anuais. Espera-se que as pessoas fiquem doentes várias vezes ao longo do ano; e se perdermos alguns dias de trabalho com uma “desculpa de doença” ninguém falará nada a respeito. Às vezes, espera-se que fiquemos doentes a fim de sermos uma pessoa saudável! E depois há a indústria farmacêutica global que realmente deve ser renomeada como a ‘indústria da doença”, cujo lema seria “para curá-lo, primeiro devemos matá-lo”. Esta expectativa e “normalização” da doença é um desalinhamento e concentra a nossa atenção na direção errada. A nossa vida diária deve, na medida do possível, ser parte da “indústria do bem-estar” humano que se centraliza na harmonia consigo mesmo, a fim de ter harmonia com os outros e com a vida cotidiana. A verdadeira harmonia é sobre coerência e adaptação a todos os aspectos de nossa vida diária.

Nenhuma pessoa pode escapar do que eles pensam, dizem, fazem ou sentem – isso se torna entrelaçado na tapeçaria que regula o nosso senso de eu e nosso bem-estar. Assim, faz sentido estarmos atentos sobre como manifestamos nossas expressões de pensamento-ação-sensação. Tudo é tecido a partir dos tópicos da consciência humana. Com o tempo, uma nova consciência, paradigmas de pensamento e novos modelos irão alinhar-se na co-criação de uma nova maneira de viver e de ser que irá substituir os modelos e formas mais velhos. É um processo maravilhosamente coeso e orgânico. Na verdade, é somente a teimosia humana que faz com que esta seja uma experiência espinhosa e, por vezes desconfortável! Somos muitas vezes nossas próprias barreiras para o autodesenvolvimento no qual já estamos calibrados com uma vasta gama de condicionamento. Nós carregamos conosco uma mistura pesada de opiniões, crenças, julgamentos e críticas – como o coitado do burro pobre com uma carga pesada! Quando foi a última vez que nós nos fizemos a seguinte pergunta: “será que nossos padrões de pensamentos (sistemas de crenças) nos trazem desequilíbrio e mal-estar emocional, físico e espiritual?”

Parte da recalibração para o bem-estar humano é o trabalho necessário que devemos empreender para que possamos estar mais bem alinhados com um novo mundo e uma nova energia que está penetrando em nossa realidade agora e nos próximos anos. Recalibração é saber quando dizer “NÃO” para as coisas que já não nutrem o nosso bem-estar e o senso de eu; e ressoar, e conscientemente atrair esses elementos benéficos na vida e que irão sustentar o nosso bem-estar mental, físico, emocional e espiritual. É hora de andar na linha: saber o que é melhor para nós e gravitar em torno daquelas coisas na vida que nutrem o nosso bem-estar. Nossa recalibração acontece agora, no mercado da vida.

“Diga-me: se o tesouro escondido está agora em exposição no bazar, não deve o gnóstico sair de sua cela e vagar por aí?”  – Gharib Nawaz

 

Tradução por Alana Trauczynski – http://recalculandoarota.com.br/

 

By | 2018-01-03T17:55:20+00:00 April 23rd, 2015|Artigos em Português|0 Comments