A ERA AKASHIC: O SURGIMENTO DE UM NOVO AMANHECER

A nossa espécie – Homo sapiens – esteve em uma historicamente longa jornada evolutiva antes de chegar ao ponto em que nos encontramos agora. Nós finalmente chegamos a um mundo que complexo e interdependente; assim, fazer o tipo certo de escolhas é difícil, mas inteiramente crítico. Estamos nos aproximando de uma época crucial que servirá como uma cúspide em nosso desenvolvimento das espécies. A época que estamos deixando para trás é a idade moderna. A época que está prestes a surgir tem recebido muitos nomes – era digital, idade nova, etc – mas, até agora, ela sofreu com a falta de uma previsão verdadeira e genuína. Em parte, a culpa é a inclinação humana de pensar em tendências lineares e, portanto, imaginar o futuro como uma extensão lógica do passado. Mas a natureza – e a evolução – não funcionam dessa maneira, e nunca funcionaram. Pelo contrário, há longos períodos de estática onde há relativamente pouca mudança; em seguida, o início de um ponto de inflexão onde o salto fundamental – e crítico – ocorre. O que fica do outro lado deste “salto” é muitas vezes inesperado, porque não está de acordo com os antigos padrões de pensamento, percepção e comportamento. Estes períodos de criticidade são momentos de oportunidade, quando os catalisadores de mudança exercem uma influência maior do que a normal sobre o resultado dos acontecimentos.

No entanto, existem princípios orientadores que podem nos ajudar, se não para prever o futuro, então, pelo menos, para prever modelos alternativos de futuro. Por exemplo, as ciências de sistemas nos permite fazer exatamente isso – ver as tendências subjacentes que fluem através das veias da evolução biológica, bem como socioculturais. Portanto, podemos vislumbrar um futuro altamente conectado e integrado; mais descentralizado; tecnologicamente avançado; de forma mais sustentável equilibrado; e interligados não localmente. Por “não-localmente” interligados entende-se que os objetos físicos / organismos – bem como a consciência humana – mantém formas eficazes de manter relacionamentos à distância.

O termo “não-localidade” vem das ciências quânticas, que são centrais para oferecer ao mundo um novo paradigma de unidade inclusiva, intrínseca e imediata. É um paradigma que ajuda a explicar a conectividade energética inerente, que forma uma base para a proximidade física proximidade e conectividade que se desenvolve no mundo. Este novo paradigma emergente é a chave para entender o que me refiro como sendo a Era Akashic.

Isso ainda parece muito rebuscado? Bem, podemos descobrir que isso está inteiramente dentro do domínio da ciência e da validade científica. As novas ciências, com base na física do quantum, nos mostram que esse nosso maravilhoso mundo é um sistema macro nível quântico gigantesco onde todas as coisas, e não apenas coisas quânticas minúsculas, estão ’emaranhadas.’ Tal situação tem o potencial de mudar os nossos valores e aspirações, além da própria maneira de pensar e agir no mundo. Ela pode ser a chave para o nosso próprio bem-estar e para a sobrevivência de toda a comunidade humana.

Na verdade, uma civilização global sustentável poderia aparecer e, se o fizesse, seu advento estaria em sintonia com a tendência geral na evolução de sistemas complexos. No entanto, trazer isso à tona depende de nós, em relação ao que fazemos hoje e nos próximos anos.

Estamos no ‘surgimento’ da Era Akashic porque continua havendo uma série de dilemas e limites críticos que enfrentamos, e que irão se desdobrar ao longo da próxima década (s). No entanto, é imperativo vê-los como oportunidades potenciais, bem como potenciais perturbadores. Em grande medida, essas oportunidades / disruptores serão baseadas em questões de energia, comunicações e consciência. Ou seja, a energia na forma como utilizamos nossos recursos; comunicações na forma como se conectar e colaborar; e da consciência em nossos padrões de pensamento e coerência interna.

O caminho para uma Era Akashic é um momento de transição, onde as nossas crises se tornam nossos catalisadores; e as nossas perturbações se tornam a nossa força motriz. Nesses momentos em que há grandes flutuações nas visões de mundo, valores e crenças; somos obrigados a reorganizar a forma como pensamos e fazemos as coisas. Tais momentos são maduros para novos modelos que surgirão.

Estes novos modelos são susceptíveis de surgir primeiro na periferia – como “anomalias” – antes de rastejar em direção ao centro para oprimir e descentralizar antigos sistemas centralizados e egocêntricos. Estes novos modelos também exibem uma diferença marcante em que operam através de canais descentralizados e distribuídos, como as redes horizontais de conexão e colaboração; e não como os sistemas verticais de cima para baixo, de controle hierárquico em sistemas antigos. Considerando que os modelos anteriores da civilização continuaram a crescer através do aumento da centralização e hierarquia, eles já entraram para a história com um grito de morte e o início do colapso final.

Para o nosso planeta ter qualquer futuro que não seja apenas sustentável, mas que também promova o crescimento do desenvolvimento humano e bem-estar, precisamos de uma Era Akashic que promova o fluxo integrado natural dos sistemas vivos. Tal era encorajaria a auto realização, bem como a social, e plantaria as sementes de uma nova cultura que respeita e honra a terra e seus diversos povos. A Era Akashic representa uma nova etapa na consciência humana, um estágio que permite que a humanidade se eleve e supere todos os desafios com os quais se confronta. Cabe a nós permitir a possibilidade de que essa era possa ser mais do que apenas um futuro possível. Ela pode ser o nosso futuro, se nós realmente quisermos que ela seja.

 

Tradução por Alana Trauczynski – http://recalculandoarota.com.br/

 

By | 2015-04-23T17:31:26+00:00 April 23rd, 2015|Artigos em Português|0 Comments